Memorial aos escravos em Anse Caffard

À primeira vista o lugar é idílico, e contam-se 15 estátuas de cimento com 2 metros e meio de altura, dispostas em triângulo. Mas o que torna este espaço diferente (e nisto as fotografias ajudam) é o que estas estátuas representam e de que forma o escultor local, Laurent Valére, as edificou. Este monumento colossal é composto por figuras semelhantes que, apesar da solidez da matéria-prima usada, anunciam uma expressão única. No seu conjunto, têm a força de um, e o semblante da tristeza que carregam e transmitem, não deixa ninguém indiferente. As estátuas estão a olhar o mar em frente, mas as cabeças levemente inclinadas para baixo e os braços baixados ao lado do corpo manifestam uma sensação de inércia e de resignação. Mesmo sem conhecermos a história do lugar, podemos sentir estas emoções admirando-as de perto, podemos tocar nas estátuas e andar no meio delas pois não existem quaisquer separações físicas. A história deste lugar é uma história de vergonha assente em propriedades e serventias, a respeito de direitos de homens sobre outros homens e, em particular, acerca da tragédia do naufrágio de um navio de escravos proveniente do Golfo da Guiné no ano de 1830, quando Napoleão havia abolido o comércio de escravos em território francês quinze anos antes.

MCO-1140407P1140397P1140398P1140421

Um pensamento em “Memorial aos escravos em Anse Caffard”

Os comentários estão fechados.