Arquivo de etiquetas: América Central

Ilhas francesas do Caribe e o conceito de felicidade

Nas Caraíbas, há muitos paraísos como a República Dominicana, o México, a Jamaica. As pessoas escolhem passar a lua-de-mel nestes bocados de terra cercados de mar. O que requer tempo de preparação, de organização; não são viagens de vontades súbitas. Até existem pacotes em múltiplas agências para tornar reais esses sonhos. Talvez seja o poder – que as ilhas nos trópicos têm – de oferecer um verão constante. Por as cores, com o Sol a bater, ficarem mais fortes e vivas, e o verde garrido da Natureza invadir até as águas mais cristalinas e nós ficarmos também mais fortes, mais cheios de energia e de vida. São destinos que nos transmitem felicidade, e que não queremos perder. Eu estava em França quando decidi viajar até à Martinica e comprei a viagem em 10 minutos, no embalo do impulso. Fixei-me em Saint-Anne, com a praia a poucos metros de casa mas viajei pela ilha inteira. Fiz outra vez tranças no cabelo pela mão ágil de uma criola. Fiz outra vez snorkeling, atrás das tartarugas. Subi árvores. Abri a porta de casa aos passarinhos. Bebi rum local. Conversei com os vizinhos de esplanada. Segurei nas mãos cana-de-açúcar. Visitei o monumento aos escravos em Anse Caffard. Senti-me muito insegura na noite de Carnaval em Fort-de-France. Mergulhei em Anses-d’Arlet, avistei o rochedo Diamante e aprendi que, na Martinica, onde existe uma vaca há sempre uma pequena garça inseparável muitas vezes sentada no seu dorço. Por tudo isto, pela possibilidade de acumular novas experiências e aprendizagens, e por as más vivências também nos marcarem e transformarem, evoluímos, e isto não tem preço. Este encher-me de paixão e gratidão, é que traduz o que é, para mim, a felicidade. Às vezes, penso no que vem nos dicionários. E por definição, felicidade, resume-se normalmente a um momento, ou um estado de boas emoções, mas em teoria não é nada de muito duradouro. Na verdade, acredito que o estado de estar feliz possa ser muito mais do que isso. Nunca nos lembramos quando está a acontecer mas a felicidade esconde-se em múltiplas viagens: é na força com que um objectivo novo nos impele a seguir em frente, ou no pensamento de algo bom do passado que volta e nos embala, e assim viajamos sempre. Como no refrão do Fast Car: So remember we were driving, driving in your car/ Speed so fast I felt like I was drunk/ City lights lay out before us/ And your arm felt nice wrapped ‘round my shoulder/ I had a feeling that I belonged/ I had a feeling I could be someone, be someone, be someone.

MCO-164017MCO-164022MCO-09254120170227_12295220170227_090532P1140380MCO-1140438MCO-1140433MCO-1140390-2MCO-1140393MCO-1140518MCO-114052220170226_082721

Colibris na Martinica

As Caraíbas são ainda mais apetecíveis quando, na Europa, repousa lento o Inverno. E, a menos de um dia de distância, podemos voltar a aconchegar-nos no forte calor que pertence àquela América do centro, que nos recebe pela porta do sol agarrando-nos pela mão, pelos olhos, para nos dourar a pele. Sente-se assim o reconforto e a bem-querença deste paraíso no que oferece de mais basilar: praias vastas de areia limpa, águas calmas e outras mais fortes de um mesmo mar quente e temperamental, e o bálsamo do som dos passarinhos como banda sonora de férias. Na Martinica não há demasiados turistas, há espaço e a vida não é dirigida a quem vem de fora. Continua a ser uma série de gestos locais, diários, não fabricados e sem contradição com a vida de sempre que se passa na ilha. A tradição do turismo massivo acontece noutros locais próximos, que todos conhecemos das montras das agências como destinos de luas-de-mel. Neste sítio do Caribe, vivemos em francês uma relação orgânica doce que permanece depois como uma memória morna. À medida que nos afastamos da areia, exibe-se o verde em toda a parte, desde a margem das estradas, atrás das canas para o açúcar e o rum se fabricarem, e, depois no alto das colinas, encontrá-mo-lo um pouco mais forte em contraste com o azul do céu. Nas regiões mais interiores, o verde é ainda mais verdadeiro mas mesmo lá o mar entreabre-se sempre por uma qualquer brecha ao fundo. Os dias de sol e sal passaram depressa, junto ao mar, nas várias localidades da ilha, mas foi no Jardim da Balata, a dez quilómetros de Fort-de-France, que o meu olhar se prendeu. Nas Antilhas francesas, existe este magnífico espaço desenhado de flores e vegetação. Esteticamente bem arrumado, organizado em trilhas de espécies exóticas, e suas características que não mais se esquecem: as cores, os cheiros. E outras maravilhas como as pontes de corda no alto das árvores, os bambus mais grossos do mundo, as palmeiras mais altas de sempre, lagos de nenúfares e flores-de-lótus. Mas o melhor de tudo, que me parece de uma grande generosidade mundana: são os beija-flores de corpos iridescentes que vêm debicar junto à recepção. Foram estes pequenos meninos alados do jardim que me puseram a pensar que são justamente surpresas como esta que me viciam na missão de viajar. E comovo-me mais uma vez com a forma como a natureza gere o planeta. Quando olhamos para a rapidez suspensa dos colibris, não percebemos, de facto, o que é o movimento das asas que deixam de se ver a menos de um metro. Tive muita sorte naqueles minutos partilhados com os celebrados colibris, no terraço da casa crioula que atravessamos junto à entrada do jardim. Fiquei ali, imóvel, com os braços em ângulo recto a suportarem o elemento que, entre mim e os passarinhos, haveria de os registar para trazer aquela memória comigo. Àquela distância, não sei se os animais vigiam as nossas intenções enquanto os analisamos. Talvez o façam em segredo, talvez convivam connosco sabendo a quem fazer confiança. Acho que a natureza é muito mais sábia do que alguma vez se conseguirá provar. E foi assim que começou mais um dia nas Caraíbas. O meu último dia de férias, rico de emoções e de cores vivas, a poucas horas de apanhar o avião que me levaria de volta a França. Quem decide sobre os lugares mais bonitos do planeta há-de saber que a Martinica nasceu para ser visitada.

MCO-092541MCO-11405352017-11-04-17-18-30MCO-1140602MCO-2593MCO-1140604MCO-1140617MCO-1140634MCO-2626MCO-1140651MCO-1140569MCO-1140574MCO-1140641