Arquivo da categoria: Viagens

Memorial aos escravos em Anse Caffard

À primeira vista o lugar é idílico, e contam-se 15 estátuas de cimento com 2 metros e meio de altura, dispostas em triângulo. Mas o que torna este espaço diferente (e nisto as fotografias ajudam) é o que estas estátuas representam e de que forma o escultor local, Laurent Valére, as edificou. Este monumento colossal é composto por figuras semelhantes que, apesar da solidez da matéria-prima usada, anunciam uma expressão única. No seu conjunto, têm a força de um, e o semblante da tristeza que carregam e transmitem, não deixa ninguém indiferente. As estátuas estão a olhar o mar em frente, mas as cabeças levemente inclinadas para baixo e os braços baixados ao lado do corpo manifestam uma sensação de inércia e de resignação. Mesmo sem conhecermos a história do lugar, podemos sentir estas emoções admirando-as de perto, podemos tocar nas estátuas e andar no meio delas pois não existem quaisquer separações físicas. A história deste lugar é uma história de vergonha assente em propriedades e serventias, a respeito de direitos de homens sobre outros homens e, em particular, acerca da tragédia do naufrágio de um navio de escravos proveniente do Golfo da Guiné no ano de 1830, quando Napoleão havia abolido o comércio de escravos em território francês quinze anos antes.

MCO-1140407P1140397P1140398P1140421

Ilhas francesas do Caribe e o conceito de felicidade

Nas Caraíbas, há muitos paraísos como a República Dominicana, o México, a Jamaica. As pessoas escolhem passar a lua-de-mel nestes bocados de terra cercados de mar. O que requer tempo de preparação, de organização; não são viagens de vontades súbitas. Até existem pacotes em múltiplas agências para tornar reais esses sonhos. Talvez seja o poder – que as ilhas nos trópicos têm – de oferecer um verão constante. Por as cores, com o Sol a bater, ficarem mais fortes e vivas, e o verde garrido da Natureza invadir até as águas mais cristalinas e nós ficarmos também mais fortes, mais cheios de energia e de vida. São destinos que nos transmitem felicidade, e que não queremos perder. Eu estava em França quando decidi viajar até à Martinica e comprei a viagem em 10 minutos, no embalo do impulso. Fixei-me em Saint-Anne, com a praia a poucos metros de casa mas viajei pela ilha inteira. Fiz outra vez tranças no cabelo pela mão ágil de uma criola. Fiz outra vez snorkeling, atrás das tartarugas. Subi árvores. Abri a porta de casa aos passarinhos. Bebi rum local. Conversei com os vizinhos de esplanada. Segurei nas mãos cana-de-açúcar. Visitei o monumento aos escravos em Anse Caffard. Senti-me muito insegura na noite de Carnaval em Fort-de-France. Mergulhei em Anses-d’Arlet, avistei o rochedo Diamante e aprendi que, na Martinica, onde existe uma vaca há sempre uma pequena garça inseparável muitas vezes sentada no seu dorço. Por tudo isto, pela possibilidade de acumular novas experiências e aprendizagens, e por as más vivências também nos marcarem e transformarem, evoluímos, e isto não tem preço. Este encher-me de paixão e gratidão, é que traduz o que é, para mim, a felicidade. Às vezes, penso no que vem nos dicionários. E por definição, felicidade, resume-se normalmente a um momento, ou um estado de boas emoções, mas em teoria não é nada de muito duradouro. Na verdade, acredito que o estado de estar feliz possa ser muito mais do que isso. Nunca nos lembramos quando está a acontecer mas a felicidade esconde-se em múltiplas viagens: é na força com que um objectivo novo nos impele a seguir em frente, ou no pensamento de algo bom do passado que volta e nos embala, e assim viajamos sempre. Como no refrão do Fast Car: So remember we were driving, driving in your car/ Speed so fast I felt like I was drunk/ City lights lay out before us/ And your arm felt nice wrapped ‘round my shoulder/ I had a feeling that I belonged/ I had a feeling I could be someone, be someone, be someone.

MCO-164017MCO-164022MCO-09254120170227_12295220170227_090532P1140380MCO-1140438MCO-1140433MCO-1140390-2MCO-1140393MCO-1140518MCO-114052220170226_082721

A Liberdade Iluminando o Mundo

Vivemos tempos em que não questionamos a nossa liberdade. Em lugar disso, fazemos representar-nos de modo instantâneo e por meio de faixas no rosto, com as cores de um outro país sobre a imagem de perfil, ou através de um hashtag nas publicações para não sair de casa, ora de um quadrado ou círculo preto, nas redes sociais. Conforme a tendência mais actualizada ao segundo, há um género de dever de participação. Então imitámo-nos nas nossas presenças digitais. Contagiámo-nos com notícias que chegam da América, e do mundo, sobre pessoas e injustiças contra pessoas. Ao mesmo tempo, levantam-se cartazes e gritos pelas ruas; os monumentos são derrubados e sarapintados de tinta graffiti, com letras e crenças e motes e histórias. Há uns dias perguntei o que era ACAB, e um amigo explicou-me ser All Cops Are Bad. E então era isto que as borras de tinta pretendem dizer sobre os monumentos? “Todos os polícias são maus”. Outros dias gritava-se “Todos Diferentes Todos Iguais”. E era este o perigo das generalizações atravessarem continentes e mares para nos apanharem. Eu não visitei os Estados Unidos como a concretização de um sonho. Já as torres gémeas haviam implodido mas quis ir ver a representação da Liberdade edificada na sua ilha, tal como a França a ofereceu: a figura coroada da deusa romana em tons de azul e de braço direito erguido ao céu de tocha na mão. Azul, azul, sem mais cores. No regresso a Manhattan consegui uma das melhores fotografias da minha vida, um instante mágico de sobreposição de liberdades, um momento irrepetível como todos os outros que vivemos.

IMG_2745IMG_2749IMG_2759IMG_2841IMG_2544

Burano, o reinado das cores na Lagoa de Veneza

Por causa da pandemia e do aconselhamento ao uso de máscaras, tenho-me lembrado de Veneza. E pensar em Veneza leva-me a Burano, a sete quilómetros a norte da ilha principal, ou a cerca de uma hora de vaporetto. O pequeno arquipélago das casinhas coloridas, com roupa a secar num cenário pitoresco, como se fosse a Ribeira do meu Porto. Antes da viagem, ao pesquisar sobre este lugar, li em quase toda a parte que “em Burano não há muito para fazer” e isto faz-me reflectir sobre como a opinião dos outros pode ser subjectiva. Nem sempre é necessário que haja muito para fazer. Mas este mundo compreende tantas vírgulas, que às vezes é preciso parar. E parar também devia ser urgente pelo simples prazer de admirar as coisas e senti-las. Por isso, parar é preciso, como era navegar umas dezenas de anos antes de Cristo quando Pompeu inaugurou essa ideia de que “Navigare necesse; vivere non est necesse” por, à época, ser muito importante dar alento aos marinheiros. Os tempos entretanto mudaram-nos a forma de viajar, e Pessoa, imbatível, navegando no sonho a mil anos de distância, pediu a tradução de Petrarca escrevendo “Quero para mim o espírito dessa frase”. Por isso, amigos, a vida interior pode ser frenética enquanto estamos sentados a sonhar. E é a permanência do prazer do sol na pele que me leva à praia. Ou o terminar um livro bom, que requer alguns minutos para deixar entrar (e entranhar em espírito) esse mesmo sentido. Até pode ser só um poema, ou uma frase tremenda, como aquela de Herberto Helder que diz “Minha cabeça estremece com todo o esquecimento“, e eu escrevo para ficar nas minhas estórias, para rever as minhas fotografias, e para ser grata à vida. E, nestes novos tempos epidemiológicos não temos de nos aborrecer. É preciso desconfiar do desconfinamento. Não cair na turbulência dos dias do passado. Pode-se viver sem ansiedade dos lugares por visitar porque todos os lugares esperarão por nós. Haja tempo para degustar o Spritz que nos traziam à mesa, no frenesim dos transeuntes reciclados das ruas, e relembrar as coisas que aconteceram e os lugares que escolhi. Hoje acordei a pensar nas máscaras de Veneza e de como Burano foi um dia bom para caminhar, para atravessar pontes, fotografar, e ser modelo. Um dia sem pressas com direito, ao fim da tarde, de uma última paragem por Murano para trazer dois balões de vidro fabricados ali, um de cor amarelo-sol e outro azul-céu em representação de outro dia qualquer com tanto para fazer quanto se quiser.

MCO-121055MCO-001-9MCO-120511MCO-120630MCO-1150127MCO-115014520170506_11544820170506_14443620170506_14445020170506_113006MCO-112708MCO-120250MCO-1150095MCO-115010120170506_140931carroMCO-120214

Em busca do “Stonehenge” português

A euforia de pisar o Alentejo era evidente. Não é uma boa fotografia porque o vento despenteia-me o rosto e, devido à écharpe, lembro-me sempre do destino fatal da Isadora Duncan, porém, aquele ficar em suspenso no ar serve para eternizar o poslúdio do meu riso desse dia. E isso, de não deixar a menina interior crescer, faz-me sempre sentir feliz. Como sinto um prazer imediato quando me rodeio de campos floridos e sempre que respiro o cheiro da terra. É o tal amor à natureza, que me foi passado pela minha mãe, nas múltiplas formas de o demonstrar, como o gosto em abraçar árvores, uma sensação de bem estar que já pus em prática em muitos cantos do mundo onde existem árvores e a elas me é permitido o acesso. Mas o objectivo desta viagem era encontrar o Cromeleque dos Almendres que se encontra um pouco escondido em Évora, mais precisamente em Nossa Senhora de Guadalupe. Um lugar recôndito, com esse monumento feito de pedras gigantes de granito, edificado (pensa-se) há cerca de 7 mil anos, longe de Arquimedes demonstrar a lei da alavanca e, portanto, deixando em aberto a passagem dos Nefilins pela Terra. Curioso ser um conjunto empedrado muitíssimo mais antigo do que o conhecido Stonehenge em Wiltshire ou o Círculo de Dromberg em Cork na Irlanda. Por outro lado, este é um lugar sagrado no Alto Alentejo que remonta ao início da civilização e justifica a excursão porque (mesmo com toda a informação em teoria) a surpresa do que se encontra é grande. Após o improvisado espaço destinado ao estacionamento, seguimos a pé no caminho de terra batida, para contemplar e tocar os perto de cem menires voltados a nascente a subir a colina. Monumentos alinhados com as constelações e, sábia e remotamente, com os solstícios de Verão e de Inverno. O culminar do trajecto encontra-se em propriedade privada, vedada por rede malhasol, após um estreito troço ladeado por silvas, e a mais de um quilómetro de distância do restante grupo de pedras, sob a forma de um monólito isolado, mais alto, como um dedo de gigante a apontar o céu. Ou, como outros defendem, um elemento fálico símbolo do sagrado masculino para representar ideias de fertilização. Não se pode adivinhar em rigor o figurado que as enormes pedras polidas teriam para os nossos antepassados, mas (antes de descer até à Pousada do Alvito) escolho como Gedeão uma “pedra cinzenta em que me sento e descanso” para honrar as entidades superiores, detentoras de todas as respostas.

IMG_4784IMG_4518IMG_4852IMG_4853IMG_4810IMG_4839IMG_4818IMG_4862IMG_4569IMG_4857IMG_4562

Escócia a bruto

Deixar 2019 para trás para entrar em 2020 num dos mais belos países da civilizada Europa, sem chuva, com temperaturas acima dos 0 ºC e céu azul.  A Escócia deu-me o que mais valorizo: A terra a bruto e animais que aparecem timidamente num espaço sem vedações que lhes pertence. Paradoxalmente, uma capital cheia de história que não surpreende mas fervilha com gente do mundo inteiro de tocha acesa na mão, e uma ligação de energia intraduzível. O castelo de Wallace e Bruce. Os pubs e a fresca Tennent’s genuína em Glasgow. O bom funcionamento dos comboios entre um lugar e o outro. A destilaria de Stirling com licor Green Lady, de gin e menta. As ternurentas vacas cabeludas indiferentes às temperaturas frias. As paisagens avassaladoras pela imensidão e pela cor que me sugeriram um certo parentesco Islandês. Na Escócia, o que se perde de vista e que as montanhas não anunciam ganha-se em conforto de alma, e em ainda mais respeito pela Natureza. Entrar nas Terras Altas em Glencoe era como ouvir Hans Zimmer, e gostar tanto daquilo ao ponto de se imergir, porque, em verdade, é preciso seguir a beleza para encontrar mais beleza a seguir, e depois das montanhas vinham outros elementos (adicionam-se mais instrumentos): como cascatas, lagos e árvores  muito verdes e muito castanhas, com certeza pintadas de fresco poucos minutos antes de chegarmos. E é a sensação de gostar tanto da envolvente que faz com que se continue mais além porque talvez o mundo acabe depois da próxima curva. Aquela era uma estrada única a envolver os montes a seguir às Três Irmãs. De repente, uma cabeça de veado distingue-se do nada, imprimindo uma fotografia irrepetível, porque o Sol de frente ajuda, sem querer, a desenhar uma silhueta perfeita de cabeça e chifres (a orquestra a tocar em uníssono, e não há uma nota fora do lugar). A natureza não sabe da alegria que me transborda por dentro. Era preciso que o tempo parasse e sento-me um minuto na estrada, para engolir o infinito que é o mundo em certos paraísos. Respiro num lugar onde a tonalidade das coisas tem a percentagem certa de saturação e brilho. Há horas do dia assim… e fico, talvez mais 4 minutos, ali, para me lembrar que será difícil isto ser maior, ou viver isto melhor, como quando fecho os olhos para desfrutar perfeitamente daquele som que me aproxima de quem realmente eu sou, e me permite alinhar como uma só coisa num mesmo compasso do universo, num breve instante que se segura, assim, até a música terminar.

IMG_6177IMG_6237IMG_6249IMG_6202IMG_6167IMG_6228IMG_6258_mafIMG_6137IMG_6364IMG_6374IMG_6264_

IMG_6279_IMG_6281_IMG_6301_IMG_6492_IMG_6500_IMG_6509_IMG_6512_IMG_6525_IMG_6535_IMG_6484_IMG_6477_mafIMG_6439IMG_6552_IMG_6555_IMG_6567_IMG_6570_IMG_6579_IMG_6582_mafIMG_6588_IMG_6627IMG_6633

Jerusálem é inspiração

Cidade da Paz, Jerusálem é um não acrescentar de palavras, pois já se diz além. Além do esperado, além do que nos ensinam, além do que cabe na fotografia, e além de tudo o que já escrevi. Ao entardecer em Jerusálem, é ainda bom deambular e beber sumos frescos. Sentar, pelo prazer de apreciar quem passa, de observar a alegria dos transeuntes estampada numa face que brilha e num olhar que sorri. E olhamos luminosos uns para os outros como quem confirma “Também sabes como é bom aqui estar“. Na pretensão de, por breves momentos, se conhecer os desconhecidos. Depois, reparar melhor nas praças, nas pedras da rua, nas lojas, nos seus objectos expostos que também brilham. Como se a essência da fé se cruzasse entre nós e as coisas. E fosse isto sentir o regozijo de olhar em volta e voltar a olhar só para ver tudo melhor outra vez. Por que Jerusálem é uma razão de existir assim, única, é uma timeline naquele ponto particular do espaço onde tudo se conjuga. Tem magnetismo, e pede ao coração para não ter medo. Tem a energia das crenças públicas, dos símbolos, e de uma visão divergente da história que leva a tanto e a nada. E, nela, sente-se um prenúncio de futuro incerto.

Dizem que devemos agradecer. E, por isso, um parágrafo para respirar esta gratidão. Dar graças por estes momentos dentro da minha vida. Por existir na oportunidade de fazer as coisas que fiz pelas razões fora dos sentidos habituais. Comprei o lenço da Palestina (o Keffiyeh militar) sem acreditar no simbolismo político associado ao tecido. Visitei muitas igrejas. Vi coisas incomuns. Cheirei aromas novos. Trouxe a fortuna de hamsá. Aprendi a tradição dos azulejos que marcam as ruas da cidade velha. E Jerusálem foi ainda o lugar onde fiz uma coisa que disse que nunca faria. Fora das muralhas é uma cidade menina, em crescendo moderna, onde os bairros se sucedem: os restaurantes, os hotéis, os bares, os movimentos cosmopolitas. E onde mais de perto o Sol se deita para nascer no dia a seguir. Fora da cidade, vieram outra vez as montanhas agrestes e as placas trilingues do caminho de volta à Jordânia, e com ela o serviço VIP da fronteira para ser mais fácil atravessar a ponte Hussein e, a seguir, apanhar o táxi para almoçar em Amã e depois seguir até ao aeroporto para regressar ao Koweit. E apesar da dificuldade em ali chegar, é o primeiro lugar onde senti que irei provavelmente voltar e de onde nunca irei sair.

IMG_5656IMG_5649_1IMG_5655IMG_5641IMG_5638IMG_5636IMG_5620IMG_5616IMG_5615_1IMG_5697_1IMG_5700_1IMG_5746_1IMG_5765IMG_5760IMG_5778_1IMG_5785_1IMG_5792_JordanIMG_5799

Muro das Lamentações e o Adhan

A praça fica na parte judaica da cidade velha. Todos passam os pertences através dos tapetes rolantes de raio-X, atravessando-se ao lado para detecção de metais. É um dia de novembro de muito calor. Atrás da bandeira quieta de Israel, exibe-se o esperado empedrado de pedras onde todos querem tocar. O muro divide as pessoas em grupos: As mulheres dirigem-se para a direita, e os homens para a esquerda. Mais um exemplo de separação que a religião prevê. Algumas mulheres (como eu) sobem um mureto junto à divisória para espreitar o lado masculino. Há judeus ortodoxos que falam hebraico e cuja informação não entendo. Carregam o Talit nos ombros. Outros trazem uma fivela preta enrolada no braço esquerdo com uma caixinha que também ostentam na testa. Depois de pesquisar descobri que o cubo (Tefilin) serve para guardar um pergaminho com textos da Torá. Aproximei-me do muro, toquei-lhe, não senti nenhuma energia especial. Havia mulheres sentadas comprometidas nas suas rezas em hebraico. Teriam sido belos retratos mas pareceu-me evasivo fazê-lo e não registei essas imagens com a câmara, mas apenas com os sentidos do momento. Ali, o 19 é o número de ouro. 19 metros de altura para uma construção que data de 19 a.C. e que eu tive o privilégio de visitar em 2019. Abandono o recinto pelo lado oposto. A vista é interessante. Apareceu um senhor judeu que comprava notas aos turistas. Dizia-se coleccionador. Pouco depois começou o chamamento islâmico. E em cada lugar que o ouço é sempre outro Adhan.

IMG_5516IMG_5504.JPGIMG_5489IMG_5491IMG_5498IMG_5490IMG_5501IMG_5513IMG_5514_2IMG_5507_1

Jerusálem

Passar a fronteira entre a Jordânia e Israel, foi o começo de uma grande aventura do final de 2019. Por isto, e por tudo, tenho de ser grata à vida. As experiências pouco planeadas como foi esta incursão na Cidade Santa plantada nas montanhas da Judeia, que aconteceu na manhã de uma outra noite passada na Jordânia, dão um sabor especial ao meu dia. Tudo começou com uma hora de táxi desde o hotel em Amã. Seguiu-se o serviço “VIP” que facilita a travessia evitando os autocarros, e torna o processo muito menos moroso. (A sala de espera não faz jus ao nome. Trata-se de uma área de sofás em napa e pequenas mesinhas onde nos servem café arábico ou chá, e onde nos sentamos à espera que nos chamem pelo nome.) Mas depois de entrarmos na van, percebe-se a vantagem da diferença de valor atribuída ao serviço: o motorista encarrega-se de mostrar os passaportes nas diversas instâncias de paragem até Israel e as patrulhas na fronteira apenas perguntam directamente se transportamos armas. Depois, o trajecto é feito de montanhas de rocha, áridas, quase sem vegetação, que se vêem fora do arame farpado, numa extensão de quilómetros. No terminal em Israel, o processo é complexo porque o inquérito é rigoroso. Convém ter o booking do Hotel em mãos para justificar o propósito da estadia, mas há assistentes americanas com aspecto de trainees a facilitar a chegada ao país. Finalmente é concedida a autorização de entrada (através de cartões com o visto independentes do passaporte) e pode apanhar-se um táxi directamente dos serviços no terminal e seguir até à cidade antiga, escolhendo uma das portas. Damascus Gate, tornou-se o meu portão de entrada no quilómetro quadrado mais interessante do mundo. Porque as muralhas que circundam Jerusálem escondem os segredos de um lugar controverso, instável, que alberga 3 religiões entre empedrados com 5000 anos. A atmosfera em redor dos pontos mais visitados é contagiante. Principalmente, junto da Church of the Holy Sepulchre. Mas o ponto imediatamente reconhecido (visível da via rápida, junto à vedação com a Palestina que também se vê) é a cúpula dourada da Rock of the Dome. Um lugar vedado a não-muçulmanos. Além dos pontos edificados repletos de significado, existe uma outra energia inesgotante que é a das multidões, e, atrás das pessoas, as portas abertas que ladeiam as ruas estreitas por onde as pessoas passam: o brilho colorido organizado das lojas de souvenirs; e a fruta liquida servida num sumo acabado de fazer; os tecidos; as fotografias de época; a originalidade dos objectos que só se encontram ali. Depois de experimentar o sabor da cerveja israelita, paramos no bairro Judeu, ao lado da Sinagoga para almoçar. E observar melhor o rebuliço geral naquela mistura particular de pessoas, perceber o seu estado de desenvolvimento, ver a satisfação entre os jovens que cantam e dançam, e os outros que parecem carregam nas feições uma tristeza antiga. Mas há nestes uma atmosfera espiritual que se percebe na própria postura do corpo que anda. Alguns grupos identificados com as mesmas vestes e cartões de identificação “Pilgrims to the Holy Land“, assumidos seguidores de doutrinas religiosas em procissão. E encontram-se pessoas diferentes, nos diversos quadrantes. Muçulmanos (desde o portão onde entrei), cristãos, e judeus, incluindo os mais ortodoxos que, ao entardecer, se identificam melhor a caminho da Western Wall para as suas preces. Fora das muralhas, continua a haver movimento na Torre de David em frente à Jaffa Gate com uma lua já presente no céu. Famílias judias caminham juntas. E experimento a fotografia em preto e branco para os devolver ao tempo a que ainda parecem pertencer. Atravesso as letras do amor por Jerusálem no caminho para o Hotel com o coração cheio. E depois de todos os sons do dia encontro um piano já a dormir no meio da praça, onde se lê (em francês) a palavra Obrigada.

IMG_5375IMG_5373_1IMG_5387IMG_5391IMG_5398_1IMG_5399_1IMG_5394_1IMG_5403_1IMG_5415_1IMG_5420IMG_5422_1IMG_5462IMG_5465_1IMG_5466_1IMG_5474_1IMG_5486IMG_5544_1IMG_5547_1IMG_5551IMG_5571_1IMG_5577IMG_5578IMG_5589IMG_5590_1IMG_5591_1IMG_5593IMG_5602IMG_5700_1IMG_5702_1IMG_5707_1IMG_5715_1IMG_5729_2IMG_5732_1IMG_5733_1IMG_5735IMG_5743

Santo Sepulcro

The Church of the Holy Sepulchre, em Inglês, soa como é: uma igreja que não precisa de apresentações, e eu, não sendo católica, também não deixo de ser, por nascimento geográfico, cristã. Há talvez por isso certas coisas que me toquem sem encontrar razão. E, nesta viagem, entendi eleger o Santo Sepulcro como a basílica mais bonita entre todas que conheço. Pois, para mim, a beleza está sobretudo na perfeição das pinturas, principalmente pelos motivos ortodoxos e cores matizadas dos tectos. Também pela arquitectura interior do edifício que não se antevê nem adivinha por contraste com as fachadas romanas. Mas ainda mais belo é o detalhe dos candeeiros, na medida certa de luz que cristaliza os objectos, e fruto de um outro brilho de energia extrafísica que impõe a ominipresença de um certo tipo de respeito místico. Além disso, simultaneamente, é dado lugar à pouca claridade natural, que vem de fora mas que se sente ainda mais divina por se saber vinda do céu. E este templo compreende um universo heterogéneo de fiéis, que são simplesmente pessoas que acreditam que antes de tudo, houve um homem que ali foi crucificado e ali renasceu. A igreja veio depois. Destruída e reerguida. E eu, respeito esta capacidade de se aceitar como verdadeira uma sagrada história feita de milhares de anos e, por isso, essa entrega a Deus. E, embora o tempo, sobreviva para tantas pessoas esta devoção declarada que tem o nome de fé. Daí, esta inspiração colectiva de se comprometerem ali, prostando-se (como dizia) a um sentido de entrega que vai além de si mesmas, porque é uma dádiva de tempo, de alma, de buscar alento de volta a si. Regresso à igreja umas horas mais tarde, para tentar descobrir de onde vem realmente aquela beleza que me preenche os sentidos. A essa hora, a luz já é diferente, as pessoas já são outras, mas tudo o resto é igual. Mantém-se uma tentativa de se fazer silêncio e consigo prestar mais atenção. Observo as pessoas nos seus mundos a sós e a sua disponibilidade para existirem ali naquele momento. Vejo-as encostar à chama viva do toucheiro, os molhos de velas novas, que apagam dois segundos depois, e que guardam para reacenderem em casa. Talvez seja possível conter a energia na cera queimada para recuperar mais tarde. Interessa, portanto, levar aquela energia. As pessoas não parecem duvidar do poder dessa entidade. Vejo-as absortas nos seus pensamentos através dos olhares que se demoram nos objectos em volta. Penso que lembram pessoas que perderam para a morte. Mas não sei se perderam, não sei o que é a morte. Mas sinto que, apesar do quase silêncio, se comunicam mortos e vivos. Então, em comum, há-de haver uma união, acima de todos, ou um mesmo sentido de vida que os leva em joelhos a beijar o chão, onde num chão anterior mas no mesmo ponto da Terra, a virgem Maria desmaiou ao ver o filho na cruz. E beijam porque não duvidam. E a serenidade desses momentos de prostração, de meditação e de submissão, que se sente em energia é contagiante. A beleza está no poder dessa evidência empírica. É, de facto, muito belo o encantamento dessa força partilhada que se sente superior, como se todos esses pensamentos únicos se abraçassem num só, e talvez seja isso a beatitude do Amor.

IMG_5451_1IMG_5426_1IMG_5425IMG_5427IMG_5679IMG_5694IMG_5677_1IMG_5674_1IMG_5673_1IMG_5681_1IMG_5663_1IMG_5428_1IMG_5430_1IMG_5433_1IMG_5436_1IMG_5437_1IMG_5445IMG_5446_1IMG_5447_1IMG_5448_1IMG_5450_1IMG_5666IMG_5665IMG_5659_1IMG_5669IMG_5690_1IMG_5689_1IMG_5453IMG_5657

Madaba, Amã e o Adhan

O Adhan na Jordãnia tem uma sonoridade mais suave. Porque é um país também mais leve, mais solto. É, como eu já disse aqui, uma bandeira que se levanta para dançar. Onde parece mais fácil ser feliz. E ir ali é perceber que a serenidade também existe no Médio Oriente, onde as crianças afinal sabem sorrir. Onde as cores são mais vivas e as pessoas menos escondidas nas suas vestes, como se se pudesse ser melhor aquilo que se é. Talvez seja apenas um pouco mais de liberdade com que se caminha nas ruas. Ou a história de um passado que se celebra a céu aberto. E outra estória desde as montanhas até Madaba, com a cor castanho-clara do monte e Oliveiras agarradas à terra que não nos deixam esquecer que não precisamos de nada, além de braços para nos equilibrarmos firmes nos nossos corpos e que esse tanto seja só Amor. Porque Madaba é um lugar espiritual. Visitei a igreja grega de pedrinhas coladas de mapas-mosaico no chão, para ter uma primeira experiência ortodoxa. E senti-me mais alinhada com a vertente herdada do império bizantino do que com a talha dourada e o relevo trabalhado das figuras bíblicas a que me habituei a fugir no catolicismo. Já os sabores da Jordânia ficam na memória. Haret Jdoudna é o sítio obrigatório que se encontra uns cem passos à esquerda se estivermos a sair da igreja, e atrás de portões largos em madeira numa espécie de jardim interior, num restaurante que nem parece um restaurante (como ele o descreveu), enquanto procurávamos esse lugar para almoçar. Madaba é também lugar de carpetes, de artesanatos, de mashadah vermelho e branco (e é assim que se coloca: 4 voltas no mesmo sentido e pousar nos ombros), malas com motivos de camelos e deserto. Uma cidade com ruínas de impérios distantes semi-perdidos pelo tempo e semi-recuperados, sobre os quais se contam lendas. É uma cidade pequena que recebe e encanta. Amã, mais tarde, tem muito mais para surpreender, há a desorganização e o ruído do trânsito, o turbilhão dos táxis, mil e uma lojas abertas, as gentes que ali chegaram e que agora ali pertencem, a mistura da religião, a contaminação americana das t-shirts e dos bonés que falam de globalização, o pechisbeque dos antiquários egípcios à mostra nas montras da rua, e, a contrastar, os pozinhos de areia colorida dentro dos frascos acabados de fazer para recordação de algo tradicional mas logo, ao virar da esquina, o esplendor do anfiteatro romano. E fico a pensar: Quantos mundos dentro de um pequeno espaço de mundo?

IMG_5150IMG_5155IMG_5163IMG_5172IMG_5180IMG_5188IMG_5189IMG_5195IMG_5198IMG_5201IMG_5202IMG_5209IMG_5210IMG_5237_IMG_5215IMG_5222IMG_5228IMG_5230IMG_5234_IMG_5308_IMG_5309IMG_5312_IMG_5317_IMG_5326_

Amã: a cidade e a cidadela.

Amã: a cidade e a cidadela. A cidade colorida à cidade antiga. O taxista não percebe a indicação em inglês Citadel e (depois de algumas voltas até subir a alta colina que termina na entrada da Cidadela guiada pelo googlemaps) declara junto da entrada; It is OK. Esta expressão na Jordânia significa que se deve pagar o que se achar justo. Aceite a oferta, saio do carro. Antes de entrar na cidadela olho ao longe, cubos com massa da cor do deserto com pontos de janelinhas. E, em cima, a bandeira que aguarda o vento para exibir um país e uma estrela que podem ser os 7 versos do Corão ou as 7 colinas da capital. Os pontos mais importantes são as ruínas Templo romano de Hércules, o Museu onde se visitam objectos desde a Idade da Pedra e o Palácio recuperado da dinastia Omíada, de 730 D.C. Do alto da cidadela, a vista da cidade é feita de contrastes. O caminho para o hotel é a descer e faz-se a pé.

IMG_5243_capaIMG_5242_IMG_5256_IMG_5257_IMG_5260_IMG_5279_IMG_5281_IMG_5282_IMG_5284IMG_5286IMG_5288_IMG_5292_IMG_5301_