Arquivo de etiquetas: Hamsá

Jerusálem é inspiração

Cidade da Paz, Jerusálem é um não acrescentar de palavras, pois já se diz além. Além do esperado, além do que nos ensinam, além do que cabe na fotografia, e além de tudo o que já escrevi. Ao entardecer em Jerusálem, é ainda bom deambular e beber sumos frescos. Sentar, pelo prazer de apreciar quem passa, de observar a alegria dos transeuntes estampada numa face que brilha e num olhar que sorri. E olhamos luminosos uns para os outros como quem confirma “Também sabes como é bom aqui estar“. Na pretensão de, por breves momentos, se conhecer os desconhecidos. Depois, reparar melhor nas praças, nas pedras da rua, nas lojas, nos seus objectos expostos que também brilham. Como se a essência da fé se cruzasse entre nós e as coisas. E fosse isto sentir o regozijo de olhar em volta e voltar a olhar só para ver tudo melhor outra vez. Por que Jerusálem é uma razão de existir assim, única, é uma timeline naquele ponto particular do espaço onde tudo se conjuga. Tem magnetismo, e pede ao coração para não ter medo. Tem a energia das crenças públicas, dos símbolos, e de uma visão divergente da história que leva a tanto e a nada. E, nela, sente-se um prenúncio de futuro incerto.

Dizem que devemos agradecer. E, por isso, um parágrafo para respirar esta gratidão. Dar graças por estes momentos dentro da minha vida. Por existir na oportunidade de fazer as coisas que fiz pelas razões fora dos sentidos habituais. Comprei o lenço da Palestina (o Keffiyeh militar) sem acreditar no simbolismo político associado ao tecido. Visitei muitas igrejas. Vi coisas incomuns. Cheirei aromas novos. Trouxe a fortuna de hamsá. Aprendi a tradição dos azulejos que marcam as ruas da cidade velha. E Jerusálem foi ainda o lugar onde fiz uma coisa que disse que nunca faria. Fora das muralhas é uma cidade menina, em crescendo moderna, onde os bairros se sucedem: os restaurantes, os hotéis, os bares, os movimentos cosmopolitas. E onde mais de perto o Sol se deita para nascer no dia a seguir. Fora da cidade, vieram outra vez as montanhas agrestes e as placas trilingues do caminho de volta à Jordânia, e com ela o serviço VIP da fronteira para ser mais fácil atravessar a ponte Hussein e, a seguir, apanhar o táxi para almoçar em Amã e depois seguir até ao aeroporto para regressar ao Koweit. E apesar da dificuldade em ali chegar, é o primeiro lugar onde senti que irei provavelmente voltar e de onde nunca irei sair.

IMG_5656IMG_5649_1IMG_5655IMG_5641IMG_5638IMG_5636IMG_5620IMG_5616IMG_5615_1IMG_5697_1IMG_5700_1IMG_5746_1IMG_5765IMG_5760IMG_5778_1IMG_5785_1IMG_5792_JordanIMG_5799