Arquivo de etiquetas: Inglaterra

Em busca do “Stonehenge” português

A euforia de pisar o Alentejo era evidente. Não é uma boa fotografia porque o vento despenteia-me o rosto e, devido à écharpe, lembro-me sempre do destino fatal da Isadora Duncan, porém, aquele ficar em suspenso no ar serve para eternizar o poslúdio do meu riso desse dia. E isso, de não deixar a menina interior crescer, faz-me sempre sentir feliz. Como sinto um prazer imediato quando me rodeio de campos floridos e sempre que respiro o cheiro da terra. É o tal amor à natureza, que me foi passado pela minha mãe, nas múltiplas formas de o demonstrar, como o gosto em abraçar árvores, uma sensação de bem estar que já pus em prática em muitos cantos do mundo onde existem árvores e a elas me é permitido o acesso. Mas o objectivo desta viagem era encontrar o Cromeleque dos Almendres que se encontra um pouco escondido em Évora, mais precisamente em Nossa Senhora de Guadalupe. Um lugar recôndito, com esse monumento feito de pedras gigantes de granito, edificado (pensa-se) há cerca de 7 mil anos, longe de Arquimedes demonstrar a lei da alavanca e, portanto, deixando em aberto a passagem dos Nefilins pela Terra. Curioso ser um conjunto empedrado muitíssimo mais antigo do que o conhecido Stonehenge em Wiltshire ou o Círculo de Dromberg em Cork na Irlanda. Por outro lado, este é um lugar sagrado no Alto Alentejo que remonta ao início da civilização e justifica a excursão porque (mesmo com toda a informação em teoria) a surpresa do que se encontra é grande. Após o improvisado espaço destinado ao estacionamento, seguimos a pé no caminho de terra batida, para contemplar e tocar os perto de cem menires voltados a nascente a subir a colina. Monumentos alinhados com as constelações e, sábia e remotamente, com os solstícios de Verão e de Inverno. O culminar do trajecto encontra-se em propriedade privada, vedada por rede malhasol, após um estreito troço ladeado por silvas, e a mais de um quilómetro de distância do restante grupo de pedras, sob a forma de um monólito isolado, mais alto, como um dedo de gigante a apontar o céu. Ou, como outros defendem, um elemento fálico símbolo do sagrado masculino para representar ideias de fertilização. Não se pode adivinhar em rigor o figurado que as enormes pedras polidas teriam para os nossos antepassados, mas (antes de descer até à Pousada do Alvito) escolho como Gedeão uma “pedra cinzenta em que me sento e descanso” para honrar as entidades superiores, detentoras de todas as respostas.

IMG_4784IMG_4518IMG_4852IMG_4853IMG_4810IMG_4839IMG_4818IMG_4862IMG_4569IMG_4857IMG_4562

Viver em Inglaterra: o Inverno em Hartlepool

Fui viver para Inglaterra por razões de trabalho. Durante os 7 meses de duração do projecto não fui a Portugal, mas aproveitei os fins-de-semana para conhecer outras cidades próximas. A estação de comboios de Hartlepool foi muitas vezes um porto de partida para passeios. Mas, antes disso, o Inverno foi frio. A chuva era uma visita constante e a neve também se manteve durante algum tempo. Estávamos a construir uma plataforma petrolífera para o mar do Norte. Havia estalactites na tubagem e nos acessos o que provocou alguns atrasos. Nas horas de descanso, a minha casa em Mulgrave Road foi um bom abrigo até vir o tempo ameno. Porque em Inglaterra não se pode verdadeiramente falar de tempo quente. Mas eu gosto de desafios como aprender a conduzir com o volante do lado direito, o que penso ter acontecido no espaço de 2 minutos. Na verdade, é humano adaptarmo-nos às necessidades. Primeiro combate-se a diferença em relação ao que estamos habituados, depois deixamos de prestar atenção ao novo e agimos de forma mecânica. Se quisermos também nos habituamos bem ao tempo adverso. Acho que basta pensar no Winter da Tori Amos quando ela diz I get a little warm in my heart/ When I think of winter e faz-se depressa verão. A vida prossegue logo com outra cor. A primeira vez que caiu neve nesse ano, estávamos a sair do trabalho. Não sei porquê mas ficamos sempre miúdos quando a neve se estreia. Olhamos o céu com ar de graça, como se uma mão divina houvesse a distribuir pequenos farrapos de gelo. É aquela mão que nunca se vê. A felicidade também se recebe destas maneiras que trazem algum mistério ou espécie de fé. Apesar de ser a precipitação de cristais agregados de gelo mas, dito assim, perde-se a poesia. E perder a poesia é ficar sem nada. Não tenho fotografias desse momento. Um segundo que se alastrou em minutos: era a alegria da neve a cair. A seguir, deixa de ser notícia e são coisas que nos levam para dentro de casa, a observar das janelas, quase inertes, enrolados na manta, apreciando o frio branco deitando-se na rua, ou como bem disse Pessoa:

“A neve pôs uma toalha calada sobre tudo.
Não se sente senão o que se passa dentro de casa.
Embrulho-me num cobertor e não penso sequer em pensar.
Sinto um gozo de animal e vagamente penso,
E adormeço sem menos utilidade que todas as acções do mundo.”

MCO-1090596MCO-1090597MCO-1090031MCO-1090033MCO-1090036MCO-1090038

Esvaziar Londres com recurso a Rothko e à arte em geral

Tive fases na minha vida nas quais me interessei bastante por cidades cosmopolitas, repletas de pessoas, encontrões, a pressa dos outros, cores nas ruas, montras, carros, trânsito, ruído de trânsito. Nessas alturas, dei comigo, a visitar museus a horas improváveis, que é quando acredito não estar ninguém. Um ensaio de contraste ou a procura de pessoas feitas da minha mesma substância. Em Londres, por serem gratuitos, os museus tornam-se lugares de regresso provável quando o investimento é apenas o nosso tempo. E, nestes locais, se forem de arte contemporânea, eu deixo-me ficar em modo suspenso: vou de encontro à oportunidade de me rodear dos símbolos que me dão prazer por afinidade com aquilo que eu sou. Quando penso no que é a arte, penso na vida em geral, e em comunicação. Considero linguagens de descoberta que remetem para o pensamento, para as emoções, pelos sentimentos que as obras transmitem. Quando era adolescente gostava muito de exercícios criativos quando visitávamos exposições. Eu olhava para uma obra e tentava atribuir-lhe um nome, para avaliar depois a distância em relação ao título verdadeiro. Uma aferição de resultados como um jogo sem resposta certa. Ainda hoje o faço. Mas ao longo da vida, fui procurando compreender melhor este fenómeno de querer perceber estas representações artísticas, e de todas as artes, em especial, gosto de me conectar à pintura. No TATE, houve diversas oportunidades para me desafiar. Ligando-me mais ao abstraccionismo, e ao surrealismo. Ou seja, aquilo que sugere alguma alienação terrena e me permite vaguear, filosofando ao sabor da minha própria criatividade porque face a essas obras nada é representado de maneira realista. Se pudesse escolher um artista, seria aquele que me providencia mais espaço para sonhar, ou antes, mais caminhos para viajar neste cosmos infinito das emoções. Há muitos pintores, mas um só Rothko. E os seus quadros não foram sempre as enormes telas com rectângulos que visualizamos ao pensar no seu nome: ao longo da sua própria evolução, ele foi retirando os obstáculos da sua pintura. E isto foi conseguido criando ambientes através de rectângulos de arestas difusas, libertando a ideia representada entre ele próprio e o observador (público), expressando as emoções humanas mais básicas. Provocando, para quem encara a obra, um abalroo ou experiência religiosa, devido à omnipresença da cor departamentada nas suas telas. A oportunidade de nos sentarmos num banco em frente a um ambiente Rothko, é semelhante a imergir num mundo paralelo complexo, reinventado para o observador que escolhe dialogar nessa dimensão espiritual. Pode ser a ocasião para nos redescobrirmos durante aqueles instantes que, ali, sem se dar por isso, nos transformam. Eu já vi Rothko noutros países mas acho que, por causa desta influência que tanto me apraz, de forma não muito consciente fui polindo a confusão das cidades através da fotografia. Por exemplo eu, nos jardins de Westminster, posso ser um largo rectângulo verde, com um outro ocre em cima e o céu certamente será um ligeiro rectângulo azul.

Novo Documento 2017-11-03