Arquivo de etiquetas: Jerusálem

Jerusálem é inspiração

Cidade da Paz, Jerusálem é um não acrescentar de palavras, pois já se diz além. Além do esperado, além do que nos ensinam, além do que cabe na fotografia, e além de tudo o que já escrevi. Ao entardecer em Jerusálem, é ainda bom deambular e beber sumos frescos. Sentar, pelo prazer de apreciar quem passa, de observar a alegria dos transeuntes estampada numa face que brilha e num olhar que sorri. E olhamos luminosos uns para os outros como quem confirma “Também sabes como é bom aqui estar“. Na pretensão de, por breves momentos, se conhecer os desconhecidos. Depois, reparar melhor nas praças, nas pedras da rua, nas lojas, nos seus objectos expostos que também brilham. Como se a essência da fé se cruzasse entre nós e as coisas. E fosse isto sentir o regozijo de olhar em volta e voltar a olhar só para ver tudo melhor outra vez. Por que Jerusálem é uma razão de existir assim, única, é uma timeline naquele ponto particular do espaço onde tudo se conjuga. Tem magnetismo, e pede ao coração para não ter medo. Tem a energia das crenças públicas, dos símbolos, e de uma visão divergente da história que leva a tanto e a nada. E, nela, sente-se um prenúncio de futuro incerto.

Dizem que devemos agradecer. E, por isso, um parágrafo para respirar esta gratidão. Dar graças por estes momentos dentro da minha vida. Por existir na oportunidade de fazer as coisas que fiz pelas razões fora dos sentidos habituais. Comprei o lenço da Palestina (o Keffiyeh militar) sem acreditar no simbolismo político associado ao tecido. Visitei muitas igrejas. Vi coisas incomuns. Cheirei aromas novos. Trouxe a fortuna de hamsá. Aprendi a tradição dos azulejos que marcam as ruas da cidade velha. E Jerusálem foi ainda o lugar onde fiz uma coisa que disse que nunca faria. Fora das muralhas é uma cidade menina, em crescendo moderna, onde os bairros se sucedem: os restaurantes, os hotéis, os bares, os movimentos cosmopolitas. E onde mais de perto o Sol se deita para nascer no dia a seguir. Fora da cidade, vieram outra vez as montanhas agrestes e as placas trilingues do caminho de volta à Jordânia, e com ela o serviço VIP da fronteira para ser mais fácil atravessar a ponte Hussein e, a seguir, apanhar o táxi para almoçar em Amã e depois seguir até ao aeroporto para regressar ao Koweit. E apesar da dificuldade em ali chegar, é o primeiro lugar onde senti que irei provavelmente voltar e de onde nunca irei sair.

IMG_5656IMG_5649_1IMG_5655IMG_5641IMG_5638IMG_5636IMG_5620IMG_5616IMG_5615_1IMG_5697_1IMG_5700_1IMG_5746_1IMG_5765IMG_5760IMG_5778_1IMG_5785_1IMG_5792_JordanIMG_5799

Muro das Lamentações e o Adhan

A praça fica na parte judaica da cidade velha. Todos passam os pertences através dos tapetes rolantes de raio-X, atravessando-se ao lado para detecção de metais. É um dia de novembro de muito calor. Atrás da bandeira quieta de Israel, exibe-se o esperado empedrado de pedras onde todos querem tocar. O muro divide as pessoas em grupos: As mulheres dirigem-se para a direita, e os homens para a esquerda. Mais um exemplo de separação que a religião prevê. Algumas mulheres (como eu) sobem um mureto junto à divisória para espreitar o lado masculino. Há judeus ortodoxos que falam hebraico e cuja informação não entendo. Carregam o Talit nos ombros. Outros trazem uma fivela preta enrolada no braço esquerdo com uma caixinha que também ostentam na testa. Depois de pesquisar descobri que o cubo (Tefilin) serve para guardar um pergaminho com textos da Torá. Aproximei-me do muro, toquei-lhe, não senti nenhuma energia especial. Havia mulheres sentadas comprometidas nas suas rezas em hebraico. Teriam sido belos retratos mas pareceu-me evasivo fazê-lo e não registei essas imagens com a câmara, mas apenas com os sentidos do momento. Ali, o 19 é o número de ouro. 19 metros de altura para uma construção que data de 19 a.C. e que eu tive o privilégio de visitar em 2019. Abandono o recinto pelo lado oposto. A vista é interessante. Apareceu um senhor judeu que comprava notas aos turistas. Dizia-se coleccionador. Pouco depois começou o chamamento islâmico. E em cada lugar que o ouço é sempre outro Adhan.

IMG_5516IMG_5504.JPGIMG_5489IMG_5491IMG_5498IMG_5490IMG_5501IMG_5513IMG_5514_2IMG_5507_1

Jerusálem

Passar a fronteira entre a Jordânia e Israel, foi o começo de uma grande aventura do final de 2019. Por isto, e por tudo, tenho de ser grata à vida. As experiências pouco planeadas como foi esta incursão na Cidade Santa plantada nas montanhas da Judeia, que aconteceu na manhã de uma outra noite passada na Jordânia, dão um sabor especial ao meu dia. Tudo começou com uma hora de táxi desde o hotel em Amã. Seguiu-se o serviço “VIP” que facilita a travessia evitando os autocarros, e torna o processo muito menos moroso. (A sala de espera não faz jus ao nome. Trata-se de uma área de sofás em napa e pequenas mesinhas onde nos servem café arábico ou chá, e onde nos sentamos à espera que nos chamem pelo nome.) Mas depois de entrarmos na van, percebe-se a vantagem da diferença de valor atribuída ao serviço: o motorista encarrega-se de mostrar os passaportes nas diversas instâncias de paragem até Israel e as patrulhas na fronteira apenas perguntam directamente se transportamos armas. Depois, o trajecto é feito de montanhas de rocha, áridas, quase sem vegetação, que se vêem fora do arame farpado, numa extensão de quilómetros. No terminal em Israel, o processo é complexo porque o inquérito é rigoroso. Convém ter o booking do Hotel em mãos para justificar o propósito da estadia, mas há assistentes americanas com aspecto de trainees a facilitar a chegada ao país. Finalmente é concedida a autorização de entrada (através de cartões com o visto independentes do passaporte) e pode apanhar-se um táxi directamente dos serviços no terminal e seguir até à cidade antiga, escolhendo uma das portas. Damascus Gate, tornou-se o meu portão de entrada no quilómetro quadrado mais interessante do mundo. Porque as muralhas que circundam Jerusálem escondem os segredos de um lugar controverso, instável, que alberga 3 religiões entre empedrados com 5000 anos. A atmosfera em redor dos pontos mais visitados é contagiante. Principalmente, junto da Church of the Holy Sepulchre. Mas o ponto imediatamente reconhecido (visível da via rápida, junto à vedação com a Palestina que também se vê) é a cúpula dourada da Rock of the Dome. Um lugar vedado a não-muçulmanos. Além dos pontos edificados repletos de significado, existe uma outra energia inesgotante que é a das multidões, e, atrás das pessoas, as portas abertas que ladeiam as ruas estreitas por onde as pessoas passam: o brilho colorido organizado das lojas de souvenirs; e a fruta liquida servida num sumo acabado de fazer; os tecidos; as fotografias de época; a originalidade dos objectos que só se encontram ali. Depois de experimentar o sabor da cerveja israelita, paramos no bairro Judeu, ao lado da Sinagoga para almoçar. E observar melhor o rebuliço geral naquela mistura particular de pessoas, perceber o seu estado de desenvolvimento, ver a satisfação entre os jovens que cantam e dançam, e os outros que parecem carregam nas feições uma tristeza antiga. Mas há nestes uma atmosfera espiritual que se percebe na própria postura do corpo que anda. Alguns grupos identificados com as mesmas vestes e cartões de identificação “Pilgrims to the Holy Land“, assumidos seguidores de doutrinas religiosas em procissão. E encontram-se pessoas diferentes, nos diversos quadrantes. Muçulmanos (desde o portão onde entrei), cristãos, e judeus, incluindo os mais ortodoxos que, ao entardecer, se identificam melhor a caminho da Western Wall para as suas preces. Fora das muralhas, continua a haver movimento na Torre de David em frente à Jaffa Gate com uma lua já presente no céu. Famílias judias caminham juntas. E experimento a fotografia em preto e branco para os devolver ao tempo a que ainda parecem pertencer. Atravesso as letras do amor por Jerusálem no caminho para o Hotel com o coração cheio. E depois de todos os sons do dia encontro um piano já a dormir no meio da praça, onde se lê (em francês) a palavra Obrigada.

IMG_5375IMG_5373_1IMG_5387IMG_5391IMG_5398_1IMG_5399_1IMG_5394_1IMG_5403_1IMG_5415_1IMG_5420IMG_5422_1IMG_5462IMG_5465_1IMG_5466_1IMG_5474_1IMG_5486IMG_5544_1IMG_5547_1IMG_5551IMG_5571_1IMG_5577IMG_5578IMG_5589IMG_5590_1IMG_5591_1IMG_5593IMG_5602IMG_5700_1IMG_5702_1IMG_5707_1IMG_5715_1IMG_5729_2IMG_5732_1IMG_5733_1IMG_5735IMG_5743

Santo Sepulcro

The Church of the Holy Sepulchre, em Inglês, soa como é: uma igreja que não precisa de apresentações, e eu, não sendo católica, também não deixo de ser, por nascimento geográfico, cristã. Há talvez por isso certas coisas que me toquem sem encontrar razão. E, nesta viagem, entendi eleger o Santo Sepulcro como a basílica mais bonita entre todas que conheço. Pois, para mim, a beleza está sobretudo na perfeição das pinturas, principalmente pelos motivos ortodoxos e cores matizadas dos tectos. Também pela arquitectura interior do edifício que não se antevê nem adivinha por contraste com as fachadas romanas. Mas ainda mais belo é o detalhe dos candeeiros, na medida certa de luz que cristaliza os objectos, e fruto de um outro brilho de energia extrafísica que impõe a ominipresença de um certo tipo de respeito místico. Além disso, simultaneamente, é dado lugar à pouca claridade natural, que vem de fora mas que se sente ainda mais divina por se saber vinda do céu. E este templo compreende um universo heterogéneo de fiéis, que são simplesmente pessoas que acreditam que antes de tudo, houve um homem que ali foi crucificado e ali renasceu. A igreja veio depois. Destruída e reerguida. E eu, respeito esta capacidade de se aceitar como verdadeira uma sagrada história feita de milhares de anos e, por isso, essa entrega a Deus. E, embora o tempo, sobreviva para tantas pessoas esta devoção declarada que tem o nome de fé. Daí, esta inspiração colectiva de se comprometerem ali, prostando-se (como dizia) a um sentido de entrega que vai além de si mesmas, porque é uma dádiva de tempo, de alma, de buscar alento de volta a si. Regresso à igreja umas horas mais tarde, para tentar descobrir de onde vem realmente aquela beleza que me preenche os sentidos. A essa hora, a luz já é diferente, as pessoas já são outras, mas tudo o resto é igual. Mantém-se uma tentativa de se fazer silêncio e consigo prestar mais atenção. Observo as pessoas nos seus mundos a sós e a sua disponibilidade para existirem ali naquele momento. Vejo-as encostar à chama viva do toucheiro, os molhos de velas novas, que apagam dois segundos depois, e que guardam para reacenderem em casa. Talvez seja possível conter a energia na cera queimada para recuperar mais tarde. Interessa, portanto, levar aquela energia. As pessoas não parecem duvidar do poder dessa entidade. Vejo-as absortas nos seus pensamentos através dos olhares que se demoram nos objectos em volta. Penso que lembram pessoas que perderam para a morte. Mas não sei se perderam, não sei o que é a morte. Mas sinto que, apesar do quase silêncio, se comunicam mortos e vivos. Então, em comum, há-de haver uma união, acima de todos, ou um mesmo sentido de vida que os leva em joelhos a beijar o chão, onde num chão anterior mas no mesmo ponto da Terra, a virgem Maria desmaiou ao ver o filho na cruz. E beijam porque não duvidam. E a serenidade desses momentos de prostração, de meditação e de submissão, que se sente em energia é contagiante. A beleza está no poder dessa evidência empírica. É, de facto, muito belo o encantamento dessa força partilhada que se sente superior, como se todos esses pensamentos únicos se abraçassem num só, e talvez seja isso a beatitude do Amor.

IMG_5451_1IMG_5426_1IMG_5425IMG_5427IMG_5679IMG_5694IMG_5677_1IMG_5674_1IMG_5673_1IMG_5681_1IMG_5663_1IMG_5428_1IMG_5430_1IMG_5433_1IMG_5436_1IMG_5437_1IMG_5445IMG_5446_1IMG_5447_1IMG_5448_1IMG_5450_1IMG_5666IMG_5665IMG_5659_1IMG_5669IMG_5690_1IMG_5689_1IMG_5453IMG_5657

Monte Nebo e a Holy Land

Não há tradução para isto. Ou, se a quisermos: Terra Prometida, mas, ao dizê-lo assim parece torná-la um pouco menos sagrada. Antes disso, a noite anterior. Chegar ao hotel e largar as coisas para fazer o reconhecimento de Amã: As ruas coloridas, vendedores ambulantes de shisha com bancos improvisados no meio da praça. Lojas de artesanato e bugiganga em Rainbow Street de onde trago um elefante de tromba erguida. (Dizem que se a tromba estiver para cima, dão sorte.) Depois, os restaurantes, o trânsito, a fila dos Quebab, e um bar. Não me lembro do nome do bar. Não tenho fotografias da entrada mas recordo o rooftop e a energia das pessoas. Aprendi nesta noite que os árabes jordanianos são diferentes dos árabes que conheço do Médio Oriente. Na Jordânia, os jovens dançam e cantam e não se importam de se mostrarem felizes aos estranhos. A música não é sombria, é destapada como o rosto da maioria das mulheres. Talvez por não perceber árabe e o que os árabes dizem, possa prestar-lhes a devida atenção. Não disperso na tradução, nem em buscar sentidos para perceber o que dizem. É um ouvido novo que escuta a música do bar e a das vozes que conversam e riem mas a minha atenção está no que olho e vejo. Será a diferença de um país que permite a venda de álcool? Regresso ao Hotel contente. Amanhã o dia será longo. É a subida ao Monte Nebo.

IMG_5148

De táxi tudo parece perto, mas entre o Hotel e uma das partes centrais da Bíblia, separavam-se cerca de 40 quilómetros. O que foi equivalente a uma hora, até Madaba. Até abraçar o menir onde ficou Moisés e entrar na Basílica reconstruída. Entendido no chão e retido nas paredes, resiste o mosaico recuperando os desenhos ao passado. A arquitectura sóbria das madeiras e o cheiro a novo das obras de recuperação, anula um bocadinho o tempo. Mais à frente, sinto o mesmo entusiasmo no museu. Atá lá as oliveiras frondosas vão abraçando o calor árido da paisagem. Mas o que sinaliza o lugar é a cruz de ferro de Giovanni Fantoni que tem uma serpente envolta. E nesse lugar do monte ou, do cimo dos muros de pedra, vislumbra-se o firmamento. Tudo o que os olhos alcançam numa pedra 800 metros acima do vale. O mar morto a oeste e, na planície em frente, o Monte das Oliveiras e Jerusalém, entre o Rio Jordão e o Mediterrâneo. Terra onde pertencem várias terras. O lugar mais espiritual do mundo para cristãos, judeus e islâmicos. Continuo depois o puzzle de pedrinhas. Mais tarde iria ver estes mosaicos transformados em desenhos feitos à mão, pinturas e fotografias de pedra, numa técnica de corte e cola sobre tela. Este passeio foi um sonho que não sabia que tinha até o viver.

IMG_5065IMG_5068IMG_5077IMG_5087IMG_5099IMG_5101IMG_5102IMG_5103IMG_5104IMG_5106IMG_5112IMG_5113IMG_5114IMG_5115IMG_5116IMG_5117IMG_5130IMG_5139_1IMG_5143_1IMG_5141IMG_5146_1IMG_5147_1IMG_5149_1